segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Já lá vamos ao Benfica, que é um assunto mais pesado, falemos primeiro do Sporting

Que ia embalado, 3 vitórias seguidas, chapa 3 e tal, e, de repente, voltou à apagada e vil tristeza, empatando com o olhanense em casa, e, pior do que isso, jogando mal.

Embora Paulo Sérgio (sempre na brecha, sempre à procura) diga que até gostou do que os seus rapazes fizeram. Não sabem é mete-la lá dentro. A bola. Claro. O que é que queriam que fosse?

3 Paulo Sérgio diz que só falhou a concretização (que por acaso é só o aspecto mais importante desta coisa toda. Sem finalização não há golos. Sem golos não há vitorias. Sem vitorias não há Paulo Sérgio…).

Mas o Sporting está na brecha, está na luta. Ali ninguém baixa os braços.

Como disse um dia o grande Manuel Graça, treinador de ciclismo do Sporting, treinou Joaquim agostinho, inclusivamente: “Enquanto tivermos pernas, não baixaremos os braços”

Ah tigre! Ah sandokan!

Sporting – 0 – Olhanense - 0

E o árbitro limpou um golo, já de si limpinho, ao Olhanense.

Senão podia ter sido pior.

3 comentários:

Tiago disse...

Sporting com jogo dominante mas previsível, sem grandes rasgos mas com algum empenho. Evidente que o empate é por culpa própria. Mesmo que o Olhanense tenha defendido bem, o Sporting facilitou-lhes a vida.
De arbitragem não vale a pena falar, não foi por aí que as equipas perderam ou ganharam. Se houve uma jogada anulada a um jogador do Olhanense antes de a bola entrar na baliza do Sporting, também é claríssimo um penálti do Maurício sobre o Liedson, impossibilitando-o de saltar.
Mas com ou sem penálti o Sporting só se pode queixar de si próprio.

Rui Moreira disse...

loOOOOLooLLLOL

Que sentido de humor, Tiago!

Tiago disse...

Obrigado!!